Arquivo do mês: junho 2009

Aproveitando o frio: Era do Gelo 3

Até hoje o blog só tinha apresentado resenhas e críticas de produções genuinamente nacionais, eu sei.  Essa foi a linha editorial escolhida por mim, até porque Hollywood, tem muito dinheiro e mídia espontânea para mandar o seu recado a vontade. Mas como a Era do Gelo 3, continua arrancando muitas gargalhadas com o brasileiríssimo Carlos Saldanha à frente da direção, vale a pena o comentário.

O terceiro longa da série de animação traz o surgimento da família de mamutes começada no filme 2, com o encontro de Manny e Ellie, que agora estão esperando um filhote. A situação acaba causando ciúmes e rompimento no diferente bando. Diego acredita que este estilo familiar andou lhe tirando a boa forma de caçador. Sid, o preguiça, resolve adotar seus próprios filhotes com medo de ficar sozinho e, está armada a confusão, que desta vez, traz dinossauros e a louca doninha Buck no pacote.

Paralelo a isso, claro, tem o Scrat correndo atrás de sua adorada Noz. Mas desta vez, não estará sozinho: encontra uma fêmea muito charmosa, mas que usa de métodos pouco ortodoxos para deixar o “esquilo-rato” pra trás.

As nacionalíssimas vozes que dão vida a versão brasileira da história são:

Diogo Vilela –  Manny
Claúdia Jimenez – Ellie
Márcio Garcia – Diego
 Tadeu Mello –  Sid.

A Era do Gelo 3, tem sua versão imperdível em 3-D Digital que eu conferi neste sábado e garanto: Diversão garantida para adultos e crianças.

Querem mais?! Então, curtam o trailer.

4 Comentários

Arquivado em Entretenimento

Michael Jackson morre aos 50 anos

Plantão da Fê

– O Michael Jackson morreeeeu!!!
– O quê, mãe?!
– Michael Jackson morreu, liga ae que tu vai ver…

Ok. Eu estava tentando escrever os tópicos de uma apresentação para o dia seguinte. Escrever os tópicos, porque apresentação com Power Point, figura e texto corrido eu desisti muito mais cedo, claro.

Após meu meio-expediente na assessoria, cheguei em casa, minha irmã estava com uma mala pesadíssima, para passar DOIS DIAS em Macaé. Chovia torrencialmente. Ela estava prestes a desistir, mas não podia.

Não podia porque ela tinha encontro marcado com um secretário da Prefeitura que estava a um passo de virar seu pretendente. E ter um pretendente braço direito do prefeito da cidade onde passei em um concurso e tomaram minha vaga por conta de “comprovação de títulos”, é tudo o que preciso para a minha carreira, vamos combinar?

Fiz cara de gentil desinteressada e ofereci: “Deixa que eu te levo até a Rodoviária”.

E quem disse que eu sou a mais esperta?

Vira-se minha mãe e anuncia:

– Seu tio Zezinho, morreu. Queria ir lá no Cemitério do Caju, porque afinal eles foram no enterro do seu pai (olha a chantagem)… Mas com essa chuva! Se você vai levar tua irmã, eu pego uma carona até lá.

Quando cheguei lá, na Brasil, ela faz cara de triste e dispara:

– Ah, mas ta chovendo tanto. Você bem podia me levar até lá na volta. Damos só um abraço rápido…

Por dentro eu disse beeeem alto:

– CARALHO, VELHA!!! MINHA APRESENTAÇÃO, PORRA!!!

Por fora, fiz cara de paisagem, respirei e bem obediente eu disse:

– Ta bom, minha mãe.

Ai que o “abraço rápido”, durou até o sepultamento, porque sabem como é, para velho, enterro é evento social. Vale mencionar que eu odeio cemitério, alergia a flores, pavor do ritual de passagem… Minha pressão abaixa, meu nariz coça, um inferno!

Depois desse horror,  tendo conseguido embarcá-la de volta no possante, ela suspira e diz:

– Não tem nada em casa pra comer. Vamos passar no mercado?! Aquele do ooooutro lado que precisamos ir, ou seja, nossa casa?!

Olho o relógio. Quase choro… Minha apresentação, meu trabalho… De dente trincado eu digo:

– Sim, senhora.

Mas penso: “Agora tu me paga, vou comprar todos os quitutes que ver pela frente e me fizer salivar”.

Catupiry, Requeijão de Cheddar, TODOS os biscoitos Piraquê, Shampoo, tipos de massas prontas, dois pacotes de Bis…Quando consegui somar 200,00 no carrinho só em delícias, me dei por satisfeita e vim embora.

Moral da História:  Por conta dessa incursão familiar, fiquei off line boa parte do dia,  meu carro não tem rádio, não soube que o Michael Jackson estava moribundo que dirá que tinha batido as botas, quer dizer, as sapatilhas de verniz…

 Se bem que, pelo jeito, nem a mídia convencional sabe direito ainda as causas e tudo mais que envolve a partida do Astro Pop. Como todos, estou no guardado dos resultados da autópsia.

4 Comentários

Arquivado em Besteirol

Só uma gota de mim

O calendário marca: primeiro dia de inverno. Mas o que está lá fora é um lindo dia de céu claro e temperatura agradável. Se não tivesse certeza que ainda é o velho subúrbio poderia jurar que fui abduzida e acordei, quem sabe, no sul do país. Bateu uma melancolia…

JOANA

Lembrei os dias que sem compromisso jogávamos queimado no fim da rua. Nas longas distâncias percorridas de bicicleta, pra chegar a lugar nenhum. Dos dedos cortados no cerol da pipa. É, eu tinha primos meninos e, como caçula sozinha, não perdia tempo quando aparecia alguém da mesma idade para brincar. Se era para soltar pipa, que fosse.

Queria uma passagem só de ida para a Terra do Nunca. E que na trajetória, eu voltasse a ter 10 anos.

PETER

Estou aqui olhando pela janela, achando um desperdício ficar presa no meu quarto, cheirando poeira de cimento da obra que não acaba. Os primos cresceram, os amigos sumiram. Tudo o que ouço é o eco da casa e minha mente perturbada de preocupações.

Para que adulto para tudo precisa de dinheiro? Naqueles tempos, era só abrir os olhos pela manhã para se sentir pleno e feliz. Era só ficar de pé para o coração apontar a próxima arte. Prometi que não ia crescer. Deveria ter prometido que jamais iria envelhecer.

Não sabemos o que havemos de pedir como convém.” (Rm 8.26.)

Agora é tarde. A vida não é mais a mesma e o sol deste lindo dia se pôs, sem que eu nem lhe pudesse agradecer pela grande pintura que encontrei ao abrir minha cortina. Estou só e minha visão, já não alcança nenhuma arte que possa me trazer de volta deste poço sem fim.

5 Comentários

Arquivado em Besteirol

Fim da obrigatoriedade de diploma para jornalistas

BLOG

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem por oito votos o fim da obrigatoriedade do diploma de jornalismo no Brasil. Segundo o ministro Ayres Brito, qualquer vocacionado, que tenha intimidade com a palavra pode exercer a profissão.

A decisão atende à tese da Associação Nacional dos Jornais (ANJ) que estão mais é querendo derrubar pisos salariais e pagar com qualquer prato de sopa os profissionais do ramo e, claro, vai de encontro a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), que é a favor da exigência do diploma para o exercício do jornalismo, prevista no Decreto-Lei 972 de 1969. Afinal, a obrigatoriedade permite a profissionalização e a maior qualificação da atividade jornalística no país.

O fim da necessidade de diplomas só poderia vir no Governo Lula, um presidente cujo único diploma é o de governante.  Aliás, seguindo a mesma linha de raciocínio, vamos começar agora uma campanha pelo fim do diploma de Direito para o exercício da advocacia, o direito à autodefesa e o fim da OAB. Afinal de contas, o trabalho dos advogados é bem parecido com o dos jornalistas: Ouve os casos, escreve, interpreta os códigos…  

E quando penso que já me indignei o suficiente com esta terra de ninguém, aparece mais uma para me cair o queixo!

6 Comentários

Arquivado em Opinião Pública

Um país para poucos

LOGO_Brasil pais de todos

Pois é, eu deveria ter atendimento médico hospitalar garantido pelo governo. Como cidadã brasileira, deveria pegar meu filho pela mão e levá-lo até um dentista que meu imposto já pagou e não deixar que ele continue sofrendo com o incômodo de ser um Classe 3 (queixudo) avançado, aos 9 anos de idade.

Como não é assim, eu pago um plano de saúde com cobertura odontológica para cuidar disso. Quer dizer, ele até deveria. Afinal de contas, são anos pagando um plano sem nunca ter precisado realmente dele. Mas aí agora a clínica me diz:

“Sinto muito, senhora. Nenhum dos exames o plano cobre”.

Pois é, minha gente. Eu também sinto muito… Sinto muito mesmo ter nascido brasileira e ter tido a infelicidade de procriar nesta terra de ninguém.

Deveria ir para Brasília, cobrar do Lula o ressarcimento de R$210,00 pelos meus impostos pagos e não revertidos para o bem estar da minha família e, assim, pagar (de novo) os exames que meu filho precisa. Deveria não pagar mais trezentos e poucos Reais de plano também, já que quando se precisa dele, também corre-se o risco de morrer a míngua.

Mas não é o que vou fazer. Como todo bom brasileiro vou trabalhar, descontar mais impostos, gerar mais renda per capita para enriquecer mais ainda quem é rico e, depois de um mês inteiro de suor e correria pagar calada o plano e o exame e o que mais vier pela frente.

Sou um avestruz brasileiro e tenho nojo de mim. Vergonha de ti.

5 Comentários

Arquivado em Descaso

Feliz Dia dos Namorados, Fê!

Pela praxe blogueira hoje deveria ter aqui um post em comemoração ao Dia dos Namorados, ainda mais porque é público que tenho um namorado. Felizmente, aqui não é lugar para assuntos que mexem com o coração, mas para temas que me reviram o estômago. De outra forma, me sentiria obrigada a descrever o presente tocante que recebi logo cedinho e o quão mexida com isso fiquei.

coracao_partido

É bem verdade que estou cheia de gana para falar aqui algumas verdades. Dessas que só digo quando estou “Fê da Vida”. Seria uma boa oportunidade para fazer os homens entenderem porque cada vez mais as mulheres querem menos compromisso. Ou, pelo menos, os fariam atentar para o fato de que, se às vezes recebem um chifre no meio da testa, é até muito bem feito, porque tem gente que busca isso como seu próprio ideal de vida – ser honesta e sincera neste mundo não gera respeito, então “Dê a César o que é de César” -.

Por que não o farei?! Mencionando outro ditado popular, que muito me lembra minha avó, explico: Roupa suja se lava em casa. E, pelo clima, já deu para reparar que tem é lama nessa história. Melhor deixar quieto, como dizem os cariocas.

De qualquer modo, acho válido alertar neste dia, que pessoas não são lixo. Muito mais que presente hoje, é preciso consciência. Por isso, convido a vocês visitarem o Mulheres à La Carte. Tem um Post imperdível de Dani Antunes, para colocar certos pingos nos “is”. Sem ser romântica (o que não é meu clima) e sem ser baixa (o que é totalmente meu clima hoje).

Divirtam-se!

5 Comentários

Arquivado em Cotidiano

Avançamos para o futuro, enquanto o presente nos condena

Parece coisa saída das telas do cinema, mas é real: O Azerbaijão, país localizado entre a Europa e Ásia (com vista para o Mar Cáspio) planeja construir dois hotéis futuristas: um em formato de Lua cheia e outro, de lua crescente. Se identificou?! “De volta para o futuro”, “O quinto elemento”, “Matrix”…

 LUA

 

 

 

 

 

 

 

Pois é, não entrem em pânico se abrirem a janela e derem de cara com objetos redondos não identificados. Pode ser que a Terra não tenha sido tomada por seres de outro planeta, mas por coreanos. É que, ao que tudo indica, o futuro chegará pelas mãos da empresa Coreana Heerim, que assina o projeto.

O Full Moon terá 35 andares, com 382 suítes e o Crescent contará com 221 quartos distribuídos entre 32 pisos. Quero falar não, hein, mas é ou não um prato cheio para os terroristas?!

Enquanto isso no mundo real [sobe música de terror]… Tráfico manda fechar as portas de comércios no Rio (outra vez), mais da metade dos jovens cariocas não concluem o ensino médio porque a bandidagem não deixa (quer seja aliciando, quer seja colocando medo nos que tem que freqüentar escolas em áreas de riscos e áreas de risco aqui agora são todas) e as empresas de ônibus diminuem o espaço para as pernas do cobrador para caber mais bancos de passageiros.

Mas vamos sonhar com arquiteturas inovadoras e babar no Santoro desfilando na FashionWeek. Ê, cansaço!

1 comentário

Arquivado em Besteirol