Arquivo do mês: março 2010

Talvez o mundo fique às escuras. Eu não.

Hoje, entre 20h30 e 21h30 (hora de Brasília), o Brasil participa oficialmente da Hora do Planeta. Das moradias mais simples aos maiores monumentos, as luzes serão apagadas por uma hora, para mostrar aos líderes mundiais nossa preocupação com o aquecimento global.

Das moradias mais simples… Opa! Aqui em casa, não mesmo. Nesta horinha estarei entre o Jornal Nacional e a minha novela, quase me preparando para a baladinha de sábado, quando acenderei o espelhão do meu banheiro para me maquiar e ficar linda para o que me espera sábado a noite.

Meus queridos, eu sinto muito. Mas sou eco o ano inteiro. Tenho um carro na garagem e sabe quantas vezes por semana eu tiro ele da  para trabalhar? Nenhuma! Vou de transporte coletivo, por pior que ele seja. Diariamente, passo por uma prova de resistência na  hora do rush, que longe do exemplo BBB, não vale R$1,5 milhões.

Sem contar que escovo os dentes de torneira fechada. Sempre lavo louça de torneira fechada. Água. Fecha para o sabão. Abre para o enxágüe. Sempre! Meus banhos, embora freqüentes, gastam menos água possível. O quintal aqui em casa só é lavado com água reciclada. Já plantei 4 árvores.

Educação que veio de legado dos meus avós e que, tenho a possibilidade de passar ao meu filho. Cumpro a minha parte no ecossistema, a medida do possível e a medida que meu Estado subdesenvolvido me permite.

Não é apagando a luz que chamaremos a atenção. É acendendo a luz do nosso juízo e fazendo nossa parte diariamente, sem preguiça. O planeta está clamando por sacrifícios contínuos e responsáveis, muito mais do que de uma lâmpada apagada. Até porque aposto que você apagará suas lâmpadas, mas o ar condicionado estará a pleno vapor, porque a final de contas, o calor hoje está de lascar.

Acorda, planeta!!!! Chega de conversa mole e vamos falar como gente grande. Tão grande quanto o buraco na camada de ozônio.

Os governantes? Eles até acham a brincadeirinha saudável. Dizem “Olha lá, eles apagaram a luz!” E daí? Na prática isso dá em que mesmo? Ah, é! Campanha política dizendo que é socialmente responsável. Faz favor…

Foi mal, WWF. Mas vamos providenciar um protesto a altura do nosso problema.

4 Comentários

Arquivado em Política Mundial

Contagem regressiva para liberação dos Nardoni

Assustados com o título, por quê? Nossa polícia é uma vergonha e o advogado do casal, Roberto Podval, é um daqueles profissionais vocacionados que eu tanto adoro… Senão for a comoção popular (gerada por nós da imprensa, claro, mas culturalmente acalorada pelas raízes latinas passionais), vão nos servir mais uma pizza bem recheada e quentinha. Dessas que estamos acostumados a engolir.

E a culpa, nem é do advogado, mas do péssimo serviço público que não nos dá assistência.

Nos EUA, o cidadão dá um grito e lá vai o CSI periciar com critério e responsabilidade o motivo do grito (claro que estou usando um exemplo no superlativo). Reviram todas as possibilidades até deixar o local. Aqui, a delegada não se preocupou em periciar tesoura, chaves do apartamento, do carro… Nada.

E como agravante, declarou ter copiado e colado o laudo da perita de criminalística. Como se não bastasse, afirmou que a camisa de Alexandre tinha manchas de vômito de Isabella e o laudo da perícia não consegue atestar do que se tratava realmente. Portanto, nem precisa ser um advogado competente para saber que a delegada, não poderia afirmar nada com 100% de certeza como fez. Mais uma vez valeu a lei do menor esforço.

Periciar pra que? A gente acusa os dois aí que estavam mais perto e ninguém vai se incomodar com isso… Certo?

Errado! O Podval é “o cara”! Testemunha a testemunha ele está desclassificando tudo.

Aí você me diz:

“Peraí, dona Fê, a menos que aquela rede de segurança tenha sido aberta por um feixe de luz de um disco voador, e Isabela tenha caído por uma falha técnica de outro mundo (literalmente) os dois são culpados pela tragédia”.

Meu caro, eu não sei. Não estive lá para ver. E também não faço parte do Júri, tampouco da torcida acalorada de quererem linchá-los em praça pública. Tudo o que sei é que se o casal é condenado injustamente, amanhã, um filho nosso tropeça na rua, cai e (Deus nos livre) morre. A Vara da Infância apontará sem a menor responsabilidade o dedo na nossa cara e gritar: “Tu é culpado”.

Então você me interrompe de novo e diz:

“É. Dona Fê, acontece que o pai do Alexandre Nardoni é advogado, é influente e pode estar tirando proveito disso para encobrir a verdade”.

Concordo. Mas se estão encobrindo o fazem em cima de falhas do nosso sistema. Nossa polícia precisa de pessoas vocacionadas como Roberto Podval para manter criminosos sob custódia da Lei. Ou nos julgar com consciência.

Diferentemente do caso João Hélio, em que os criminosos arrastaram a criança pelo cinto de segurança preso ao carro, em plena luz do dia, deixando várias testemunhas. O caso Isabela Nardoni não tem réus confessos,  testemunhas ou perícia satisfatória que elucide o caso, lamentavelmente.

Aguardemos… Ou faremos o bolão? Ganha a imprensa comovendo o público e conseguindo justiça ou a competência do advogado dos réus? Nossa Justiça será mesmo cega?  Ainda dá tempo de fazer as apostas!

Falando em justo… Querem ver uma crítica jurídica sobre o tema?

Visitem o Inverbis que vale a pena.

Deixe um comentário

Arquivado em Opinião Pública

Show dos Royalties

Ontem fizeram o show dos Royalties na Candelária vocês viram? Um monte de gente viu. Posso apostar que mais da metade dos 150 mil adeptos estavam lá para o samba e o happy hour que antecipou a sexta-feira. Boa parte nem sabe o que são Royalties, onde esse dinheiro vai (ou para onde deveria ir, já que nenhum dinheiro publico é convertido em benefício social neste país, e não só na cidade do Rio) ou sequer tem uma posição clara sobre o assunto.

Mas condenar o povo por quê? Nem o presidente brasileiro tem posição clara sobre nada. O Sérgio Cabral declarou a imprensa que o Lula votaria contrário a nova partilha do bolo do petróleo. O Lula disse que não falou nada disso. Óbvio. O tempo todo o presidente foi para onde o vento soprou, que dirá em plena campanha eleitoral. Ele está esperando para ver qual decisão dá mais –  votos a D. Dilma -.

O Sérgio Cabral não tinha que chorar. Tinha era que bater na mesa.

Ah, querem os Royalties? Pois muito que bem. Levem os Royalties. Mas a partir de agora, vão ter que nos pagar o ICMS na fonte. Sim, porque as petrolíferas não descontavam o ICMS na extração, porque havia uma compensação com a partilha dos Royalties. Já que aconteceu a quebra de contrato na instância federal, vamos reestruturar toda a economia do estado. É justo. 

E tem outra coisa, viu Sr. Lula, já que o senhor concorda com a maioria, toda a dívida que o estado tem com a federação morre aqui. Porque qualquer acordo anterior a essa garfada de 7,2 bilhões de Reais anuais, está desfeita. Ora, os acordos foram feitos em cima de um orçamento que o Sr. rompeu, se nós não podemos mais pagar a culpa não é dos cidadãos cariocas (e capixabas). Pode assinando aqui embaixo e deixar para D. Dilma o ônus da sua dívida.

E olha, povo carioca, vamos para a rua, sim, mas vamos lá dizer que não tem mais Copa, não tem mais Olimpíadas e não tem porque a gente não quer. Em represália ao assalto que inconstitucionalmente sofremos.

A questão toda é que chamar a imprensa e usar um lencinho é mais político que fazer uma quebra pontual com o presidente queridinho do Brasil. Mesmo tendo sido chamado de mentiroso em todos os jornais. E o cidadão? Vai achando tudo festa! Bóra Sambar!

2 Comentários

Arquivado em Política interna

Narciso acha feio o que não é espelho

O Lula hoje inaugurou uma termelétrica da Petrobrás, em Cubatão, São Paulo. Mais uma fitinha cortada, entre as muitas desse final de mandato (e enquanto ele quer nos enfiar Dilma Roussef goela abaixo), só que, como diz o ditado popular: “macaco só olha pro rabo dos outros. O dele, ele enrola e senta em cima”. Adivinha qual o discurso do presidente?

“Tem gente inaugurando até maquete e nós queremos mostrar como é que as coisas acontecem neste país”. 

Claro que estava alfinetando o José Serra que na terça-feira (9) participou do anúncio do projeto da construção de uma ponte entre Santos e Guarujá, no litoral de São Paulo e “inaugurou” a maquete da obra. 

Marketing político? É. Claro que é. Mas por acaso, a Dona Dilma Roussef (candidata da situação) age diferente disso? A candidata está inaugurando até paralelepípedo em rua sem movimento. No cartão dela deve estar lá:

Dilma Roussef
Ministra da Casa Civil
Candidata a presidência do Brasil
Aceito convite para velórios, batizados e inaugurações em geral.

Amigão Lula vai cortando fitinhas. A caçamba vai atrás… Aliás, se for parar pra analisar mais friamente ainda, a “caçamba” vai inaugurando obra que nem é do Governo Federal. O Hospital da Mulher, por exemplo, é uma iniciativa do Governo do Estado do Rio (alguém mencionou a esfera federal?) e adivinha quem estava lá?  Não sei bem se por estar fazendo coisas acontecerem no país ou na própria campanha. Às vezes, tenho a impressão de que temos um único candidato a sucessão presidencial, vocês não? 

Qualquer semelhança com Chavizmo, talvez não tenha sido mera coincidência.  Eleito democraticamente e depois, esquecendo-se disso diz: “Está tudo dominado. Quem manda agora é o titio aqui! Minha candidata pode inaugurar obra dos outros, o concorrência fica feio inaugurar maquete”.

O que espero sinceramente, é que o bolo esteja no forno… E que a oposição cresça e apareça depois dessa pré-campanha. E se eu tiver direito a um segundo desejo: que o Lula, ao menos na reta final pare de vomitar sandices. Porque se ele não viu nada durante o governo dele, nós vimos. Coisas piores que inauguração de maquete pesam contra Dilma é só ela sair de cima do rabo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política interna