Homens não trazem salvação

Não é segredo para ninguém (até porque está no link “Quem” lá em cima) que o início da minha carreira no rádio se deu na Rádio Rio de Janeiro. Tem muita gente que não conhece o dial, não se liga em doutrina kardecista… E eu também era assim. De criação evangélica, falar em Kardec perto de mim era motivo para fazer oração forte e achar que a pessoa não seria salva no dia do juízo final.

No entanto, o tempo foi passando na emissora e as amizades foram se fortalecendo até o dia que um câncer devastador assombrou minha casa. Não havia tratamento possível para o meu pai e todo paliativo que poderia ser ministrado lhe foi negado por nossos órgãos públicos de Saúde, até que consegui acolhida no INCA. Meu pai deu entrada no setor de cabeça e pescoço e veio a falecer 28 dias depois. Os piores dias da minha vida!

Eu, que era mera estagiária da dita rádio tive toda acolhida. O presidente na época, senhor Gerson Simões Monteiro, o diretor do RH, Renan Bianchi, minha coordenadora Cristina D’Elia (a eles meu muito obrigado)… Depositaram todo o meu salário, sem descontos, meu vale Refeição, passagens e ainda guardaram minha vaga por mais um mês, depois da partida do meu pai, para que eu pudesse resolver todos os problemas da minha família e voltar com tranqüilidade.

Quando questionei todo esse auxílio recebi como resposta que havia dado dois anos de bons serviços para casa e o mínimo que eles poderiam fazer era me estender a mão, afinal de contas, minha ausência tinha um motivo nobre: cumpria meu papel de filha.

Dois anos depois, vou parar em uma casa evangélica, com uma obra missionária milionária: TV, Rádio, igrejas em todas as esquinas, no mundo inteiro, cultos lotados de “patrocinadores”… Como profissional assumi sozinha o departamento de jornalismo, mantive 24h de programação depois que perdi o estagiário e minha colega entrou de licença maternidade. O que ouvi? Que meu trabalho não era digno nem de elogio, que dirá de aumento de salário. Felizmente, no dia seguinte recebi uma grande proposta de emprego, pedi demissão e na casa dos evangélicos fizeram questão de descontar meu aviso prévio.

Eu poderia colocar um processo. Ok. Vocês ficam com o aviso, mas me pagam chamadas comerciais de rádio e TV que gravei e ninguém me pagou; Me pagam as horas extras que vocês me obrigavam a não marcar, mas que gravações de câmeras de segurança que vocês mesmos fazem, registram o quanto eu marquei ponto e voltei pra minha mesa pra trabalhar; Fora os outros abusos.

Mas não farei isso. Porque os Kardecistas me ensinaram que a caridade é mais. Então, meu aviso prévio fica como oferta. Humildemente vou exercer meu talento em outra casa que agora, não tem nenhum cunho religioso, entretanto, tenho certeza que essa “promoção” é obra do meu Deus que não está embaixo de nenhuma placa de igreja.

Antes que me perguntem, eu não sou kardecista. Mas se você coloca esse teu dedo em riste para dizer que esse ou aquele vai pro fogo do inferno e que você é salvo porque freqüenta essa ou aquela igreja: cuidado. Em várias passagens da Bíblia, Deus nos ensina que o maior de todos os mandamentos é o amor. E eu vi o amor, a caridade, a solidariedade de perto em uma casa espírita e em nenhum momento provei desta obra daqueles que se dizem santos.

Faça sua reflexão. Religião cada um tem a sua, mas seja como for, antes de seguir ao homem, queira a Deus no seu coração.

Não sei porque mas precisava dividir isso com os visitantes desse blog.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s