Arquivo do dia: novembro 5, 2010

Resto de Cidade. Pra qualquer coisa de nação

O último final de semana foi prolongado. Feriado de Finados. Diziam os comunicados à imprensa que as repartições públicas fariam ponto facultativo, mas que claro, serviços de emergência como hospitais, manteriam normalmente seus plantões. Eu, como boa cidadã tola e crédula… Mais uma vez me senti segura e cai nos contos do vigário.

No sábado à noite, fui socorrer uma pessoa com histórico de câncer, que há dias passava por uma dor intensa, justamente no local onde havia sido operada uns dois anos antes. Carteirinha de paciente do INCA em mãos, lá fomos nós para Vila Isabel.

Quando chegamos lá, o médico plantonista estava em seu posto. Mas ouviu a queixa da paciente sacudindo negativamente a cabeça:

“A única coisa que posso fazer é aplicar um remédio para dor. Se a consulta tivesse sido pela manhã até dava para fazer um raio x, mas agora não tem nada mais funcionando. Ambulatório agora, só marcado na quarta-feira (o que viria a ser depois do feriado)”.

Pausa aqui: somente o raio x funcionando?

E se o caso não fosse no osso? E se fosse e precisasse de uma avaliação mais série? Até que passassem 4 dias para MARCAR (e não consultar) o paciente do câncer morre sem assistência.

Eu não estava na emergência de um hospital qualquer. Eu estava em um centro de tratamento especializado na doença e que, portanto, sabem da gravidade (e da urgência) do câncer seja em que parte for do corpo. Aliás, se a dor já estava muito forte, há muitos dias, não preciso ter diploma de Medicina para saber da gravidade do assunto. Sem contar que o paciente já estava cadastrado no sistema, passado por “n” tratamentos e cirurgias… Histórico forte para ser desprezado apenas porque era feriado.

 

E o povo ainda se dá por satisfeito com as UPAs, que de igual forma não funcionam. Ao invés de investirem na construção de mais um sistema falido, porque não ajeitam o que já temos e não funciona?

É inaceitável aplicarem morfina para mascarar a dor, porque é feriado e não tem um diagnóstico preciso.

Querem mais?

Domingo fui levar meu filho ao Planetário da Gávea. Um centro de entretenimento que, portanto, deveria funcionar nos finais de semana e feriados. Mas demos com o nariz na porta!

Detalhe: o feriado do funcionário público havia sido transferido para a segunda-feira, logo, no domingo quando estávamos disponíveis para visitar o espaço de lazer, ele deveria estar aberto. Sem desculpas. Mas não foi o que aconteceu. Não é incrível?!

Sei que já perguntei isso aqui outras vezes, mas vamos lá de novo: Onde é que nós vamos parar neste país?

2 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Descaso