Vejo o Rio de Janeiro

E vejo a Penha também. Quase que da janela de casa. Se esticar um pouquinho o pescoço vejo até boa parte do Complexo do Alemão. Nascida e criada no subúrbio, não preciso nem de consultar literatura especializada para dizer sem errar, que essa área de conflito compreende cerca de 3 KM² de território e abrange, só pra citar alguns,  o Morro do Baiana, o Morro do Alemão, o Morro dos Mineiros, a Nova Brasília, a Pedra do Sapo, a Fazendinha, a Grota, a Caixa D’água, entre outros.

Eu compreendo que somos uma ilha cercados de corrupção por todos os lados. Compreendo que o nosso pacífico povo não tem ímpeto de ação contra isso e espera que o milagre caia do céu e os proteja, mas na minha opinião (atire pedra quem quiser), essa é uma realidade utópica. Tanto quanto essa expressa guerra civil.

Como mencionei o território a ser ocupado é grande. São várias comunidades reunidas, com várias entradas… Me convencer que em duas horas e meia de operação, se estende uma bandeira do Brasil no ponto mais alto e tudo está resolvido, me desculpe, é balela.

Boa parte, daquele monte de traficantes que pareciam fugir como ratos em uma tomada aérea da Globo, na verdade, estão misturados a população local. Quem vai identificar? Ninguém! Se não o fizeram até hoje…

A outra parte, aquela que interessava, fugiu antes da bomba explodir. Ou vocês acreditam que os policiais corruptos deixaram de ser só porque o Lula mandou a tropa nacional?! Claro que passaram aos que interessa todo o serviço “de inteligência” antes.

Alguém já soube de um general em front de guerra? Os marginais seguem a mesma lógica, minha gente. Do contrário o tráfico não tinha o nome de crime organizado e nem havia chegado ao ponto que chegou. Pode ter gente pouco instruída, de poucas oportunidades (pra quem concorda com o pessoal dos Direitos Humanos), mas burros eles não são. Claro que no meio daquela fuga em massa não estavam os donos da situação.

O que aconteceu na região foi a tomada de alguns pontos chaves dentro deste complexo, mas a rendição foi muito fácil… Tomara Deus que eu esteja errada, com a cabeça cheia de teorias da conspiração na cabeça, mas ainda sai coelho desse mato.

Se o Estado realmente estivesse engajado em nos livrar dessa realidade triste, deveriam ter ido sufocar a Baixada Fluminense e a Rocinha, onde eles sabem que tem gente escondida, para não baixar criminalidade em um canto e aumentar em outro. Se é para acabar, vamos acabar de vez.

Eu me ponho em sacrifício. Atravesso a cidade pra lá e pra cá em guerra a troco de ver o titulo Cidade Maravilhosa não ser apenas moeda de troca publicitária. Me desculpem os mais crédulos no sistema.

2 Comentários

Arquivado em Cotidiano, Política interna

2 Respostas para “Vejo o Rio de Janeiro

  1. Engraçadinha

    Cara, como vizinha de uma grande área pacificada, eu tenho q acreditar q dessa vez vai. Estamos com a faca e n queijo na mão!

  2. Ma

    Eu concordo com a Engraçadinha, ja que estive na Tijuca e pude sentir os efeitos da ocupação.
    São 30 anos desde que infelizmente o PDT de Brizola tomou o poder… Tinha que a a filha poder circular livremente nos morros pra busacar drogas e dançar nos agitos da Comunidade , sem ser importunada. Deu no que deu, anos de olhos fechados.
    Mas vamos acreditar e como diz a musica:
    ” Give Peace a chance!”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s