Arquivo do mês: abril 2011

Real. Realeza. Realidade

Um mês in-te-i-roooo que só se ouviu falar de Willian e Kate. E depois, agosto que é mês de desgosto! Why, God, why?! Não escreveram um livro, não plantaram uma árvore… Nem sequer serviu pra fazer a gente voltar a acreditar em príncipe encantado que se apaixona pela plebeia. Primeiro que a realeza não é mais real, não mandam PN nem lá no reino deles e, se engolirmos como cultura e aceitarmos esse berço esplêndido, na boa… Plebeia sou eu que estudei na Escola Municipal Maria Baptistina Dufles Teixeira Lott, me formei pela Estácio de Sá, com bolsa de 70%, não fosse isso, nem o bacharelado rolava.

Sem contar que os cortes de seda reais já estavam unidos no mesmo armário há muito tempo, gente! Tão normal quanto eu e você, que forneceu a merenda antes da hora do recreio. Merecia no máximo um fotógrafo de Caras, pra não passar em branco, mas gente chorando e dizendo que valeu a pena a vigília pra ver um aceno… É chaaaato…

Casamento real foi o meu: acordava cedo, fazia o café da manhã, trabalhava em pé o dia todo, voltava pra casa, limpava, cozinhava, arrastava um filho pequeno, dois enteados, muitas vezes 7 sobrinhos, todos em idade escolar fazendo a maior fuzarca (morava no mesmo quintal da minha sogra), desarrumando tudo o que tentava colocar em ordem.  Querem mais real que isso?!

Eu merecia uma coroa! Embora não tenha aturado essa vida de majestade. Não mesmo. Depois de 5 anos peguei meus panos de bunda e voltei ao meu clã. Prefiro as esquisitices da minha mãe.

Se é pra ter um homem bomba, vou investir em procurar o príncipe Mohammed bin Rashid Al Maktoum (30 anos e solteiro), dos Emirados Árabes. Se esse explodir minha paciência, sei que estou dormindo com um Sheik pelo menos e, que esse sim, terá feito a bem feitoria de casar-se com uma Maria Ninguém (plebeia em pleno séc XXI força um pouco minha barra).

O que deve estar bombando mesmo é a festinha que o Harry organizou pro irmão (pediu até café da manhã). O Palácio de Buckingham vai ficar pequeno! Despacharam até a Rainha mãe. Essa parte da realeza, cadê que alguém mostra?! Pra que tanto suspiro? A galera lá é de carne osso, vão ter ressaca amanhã como nós teríamos… O branco do vestido de Kate, é tão de mentirinha quanto o das minhas amigas que subiram ao altar. Estão bem longe do “viveram felizes para sempre”, como o conto de fadas que sonha essa galera que ficou lá agitando bandeirinhas…

Fala sério… Vamos voltar ao mundo real? Bóra dar foco ao que interessa? As enchentes do Rio de Janeiro que não sessam nunca… Quem sabe?!

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Ressurgir

Difícil é cada amanhecer
Findaram os bons dias, ternuras ou magias
As lágrimas transbordam da minha alma
Um sopro sem pensar levou o meu Sonho…
Hoje sou caos, dor e escuridão
Sou um barco perdido no mar revolto de mim
Sou um caminho sem chão nem flores
Sou só desejo de secar os meus ais…
Sorrir como os demais…
Preciso inventar novos mares…
Colorir mais uma vez a ternura
E a loucura…
Limpar-me, enfim
Vem, emoção!
Não desisto de mim.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano

Corre que vem chuva

No país da Copa do Mundo 2014, tudo é muito bonito até que cai a chuva. No Rio de Janeiro, mais um episódio de caos pluvial se repetiu ontem (25/04): A Defesa Civil da cidade registrou pelo menos quatro pontos de deslizamento em favelas diferentes; Na serra Grajaú-Jacarepaguá, uma pedra se desprendeu das rochas, acabou com a frente de um carro e provocou a interdição completa da via; Na Praça da Bandeira, um homem foi encontrado morto, vítima de afogamento.

E ai, as notícias começam a ser publicadas e você, à medida que as lê, pode jurar por Deus e todos os santos que, dessa vez o povo vai cobrar das autoridades alguma providência. Peraí, gente! Tem quatro meses que a região serrana do estado veio abaixo por conta de chuva. Cidadãos que pagam seus impostos ainda estão em abrigos improvisados… E o Morro do Bumba? E Angra dos Reis? Vamos dizer que já chega?

Ao contrário… O povo ficou feliz porque pela primeira vez a prefeitura acionou um alarme para avisar de situações de emergência em área de risco. O sistema sonoro foi instalado depois das enchentes de abril do ano passado. Isso evita que as pessoas sejam soterradas. Quanta bondade, senhor prefeito!

Não fosse pelo fato das pessoas estarem ainda em ÁREAS DE RISCO.

Em UM ANO não se conseguiu dar a esses brasileiros um plano decente de habitação? Eles precisam sair correndo com alguns pertences e suas famílias debaixo de qualquer chuvinha? Viver no pavor é o que merece o povo que paga os impostos mais caros DO MUNDO?

O sistema de sirene foi inspirado em quem? No Japão? De fato, senão fosse o alarme de calamidade acionado momentos antes da Tsunami a tragédia teria sido muito maior (eu mesma escrevi sobre isso), mas ondas gigantes são eventos naturais isolados, já a chuva nesta época do ano é tão banal por aqui, que Águas de Março virou um clássico da MPB. Ou não?

Se é pra copiar coisas, vamos começar pelas mais úteis? Além de sirenes antecipando catástrofes, os japoneses têm um sistema de escoamento de águas pluviais por meio de reservatórios gigantescos, que não se mistura ao sistema de esgoto, e evita o transbordamento (motivo da maioria das nossas enchentes). As tubulações atravessam o subterrâneo de algumas cidades japonesas, drenando a água excedente e evacuando para algum rio quando necessário, para tanto, essas galerias tem motores capazes de bombear cerca de 200 toneladas de água por segundo para exterior. Detalhe: tudo isso embaixo de uma terra sujeita a terremotos e tsunamis coisas que não vemos por aqui.

As cidades crescem em cima de asfalto. Este material é impermeável, por tanto, há de se pensar alternativas para co-existir com a natureza que ainda tem seu lugar neste planeta.

Se não houve vítimas fatais nas comunidades por conta do alarme a que todos louvam, vamos lembrar que um homem morreu afogado porque nossas galerias pluviais são ineficientes e causam enchente!

Precisamos de um sistema de drenagem eficaz, de um plano de habitação seguro para que nossas famílias não estejam em áreas de risco normalmente e ai, sim, uma sirene contra CATÁSTROFES (e não rotinas naturais).

Só me venham falar de satisfação, quando acordarem desse sono profundo, brasileiros!

Deixe um comentário

Arquivado em Descaso

Vida de Freela é difícil como o quê

Tem gente que lida bem com essa coisa independente de não ter patrão e, consegue merecidamente um Home Office bombando de trabalho. Já eu, confesso,  não tenho disciplina para encarar o ambiente interno, me deprimo na falta de colegas de trabalho e, principalmente, não sei me vender.

A coisa começa no telefonema, quando me perguntam “Fernanda Freitas de onde?!”. Não ter um CNPJ que me estufe o peito já é meio caminho pra eu deixar de ser o que sou, esquecer que apenas meu cérebro faz de mim uma profissional brilhante e recuar em qualquer intento.

Vez por outra, acordo cheia de inspiração, pego o telefone (doida pra ferrar uma recepcionista) e já mando logo, antes que ela me pergunte, “Fernanda Freitas assessora de comunicação e Novas Midas”. Mas, se passo por essa fase, logo descubro que profissionais do mal são esses do administrativo. Um novo ramal e lá vem a bendita pergunta de novo:

“Fernanda Freitas, assessora de Comunicação… De onde?!”

Aaaaah, que vontade de gritar meia dúzia de palavrões!! Serei do Planeta Fome (aquele mesmo de onde veio Elza Soares) se não passar agora essa droga de ligação para quem interessa!!! #shit #shit2  #shit3

Senhores, por favor, nesse mercado de trabalho informal a que somos impostos, Fernanda Freitas (ou João do Pé de Feijão) é tão somente alguém competente, esforçado e precisando pagar a 11º prestação do carro… Não atrasa! Passa a ligação…

Dedico esse post ao nosso governo que não valoriza as pessoas que se dedicam a sua formação profissional e aos dirigentes da Rádio Tamoio, do Sistema Verdes Mares, pela demissão em massa e, sem aviso prévio, apenas porque desistiram de “brincar de emissora carioca”

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano

Orkut: Você ainda tem o seu?

Muita gente vive uma novela: Xinga o serviço, as fofocas, os modelos de felicidade explícita (e muito fake) da página, deleta e, no final, torna a te mandar convite de amizade em uma nova página.

Querem saber? Essa nunca foi uma questão para mim! Mesmo tendo aparecido o Twitter, onde aliás, sou muito mais ativa, e o Facebook, continuo grata a Orkut Büyükkokten, criador do primeiro site que me fez reencontrar amigos que nunca teria conseguido reunir novamente não fosse pela web. Sou apegada mesmo aos meus scraps, principalmente aqueles que vieram antes dessas mensagens piscantesem massa. Mefazem lembrar de tempos bons… Porque… Né?! Minha memória é curta pro que me faz bem. Melhor ter provas cabais de todos os momentos que me remetem à luz, à medida que reencontro com eles.

Não posso simplesmente excluir minha conta para sempre. Ou pelo menos recomeçá-la do zero, depois que vender meus burros com os egos e alter-egos inflados – e as malditas mensagens piscantes. Por que fazem isso, meu Deus?! Por quê?? -.

E se não fosse todo esse argumento sentimental não fake, a verdade é que 74% dos internautas brasileiros ainda usam o Orkut, ou seja, não podemos simplesmente ignorar o serviço. Muitos perfis corporativos também ainda circulam por lá. Isso significa que a popularidade perdida não tirou totalmente a visibilidade da página, portanto, se você é como eu, que procura uma recolocação no mercado de trabalho e, quer ser visto no que tange a vida profissional, não jogue fora o seu Orkut. E se já o fez… Aceite sugestão dessa jornalista que vos escreve: Não dê corda a sua namorada neurótica, refaça seu perfil e trabalhe ele ao seu favor.

Deixe um comentário

Arquivado em Tecnologia

Conto de fadas ao alcance de todos

Nem a mais tradicional realeza deixou de se curvar aos encantos da web. A notícia já correu o mundo:

O matrimônio do príncipe Willian e Kate Middleton será transmitido ao vivo pelo Youtube. Mais uma vez, graças ao espaço democrático da Internet, os “nem” vão ter seu dia de aristocracia.

O casório real acontece em 29 de abril, sexta-feira, a partir das 9 da manhã, em Londres ( 6 da manhã, pelo horário de Brasília)

O canal ofcial é esse aqui:

Eu, claro, não estarei conectada a essa hora. Já que as informações terão um acesso tão fácil, deixo para vê-las no Jornal Hoje, com reprise no JN ou nas muitas reapresentações com legenda nada a ver, no horário da Sonia Abrão… Quiçá, no domingo. Já repararam que o programa do Gugu agora tem 40% do seu tempo voltado a apresentações de vídeos (engraçados ou não) retirados do Youtube? Vou acordar cedo pra que?

1 comentário

Arquivado em Tecnologia

A voz do povo é a voz da internet

De certo, todo mundo acompanhou o caso “Pelemania Arezzo” que mobilizou a internet  no final de domingo e durante toda segunda-feira, 18/04. Senão, vai um resumo da ópera:

A conhecida marca da sapatos e bolsas teve a infelicidade de lançar uma coleção com pele de raposas, coelhos, ovelhas, cobras e couro natural. Um choque, claro! Em tempos que se preza a preservação das espécies e a saúde do planeta, pensar que se mata a bel prazer dos fashionistas é, no mínimo, estarrecedor e os internautas reagiram.

Há anos estudo internet, trabalho com internet, desabafo na rede meus dilemas (sempre com alguma notoriedade, felizmente), mas ainda assim, me emociono quando uma ação espontânea de Social Media dá certo.

O barulho foi tanto, que às 11h procurei o link da ‘Vitrine’ no site oficial para mostrar a um amigo perdido no Twitter e, a Pelemania, já não constava mais na linha oferecida pela empresa; Outros sites que divulgaram a coleção, também já haviam retirado do ar suas críticas “chiques”. E, segundo o Comunique-se,  a hastag #arezzo ocupou o primeiro lugar do Trending Topics Brasil por mais de 24 horas, como um termo não patrocinado.

Viu como você tem voz? Como a gente pode, sim, fazer alguma coisa?

Vejo nisso um movimento muito mais autêntico e autônomo  do que os Caras Pintadas, que até hoje, na minha opinião, foi “festa pra inglês ver”: sem o menor senso crítico ou político dos jovens.

Acho justo defendermos a nossa fauna. Antes que algum vegan se manifeste em comentários, quero dizer que sacrificar animais apenas como adorno, não é como ter uma criação de gado onde se come a carne, onde a gordura, os cascos, os chifres são aproveitados na industrialização de outros produtos… É um crime! Gostar de um bom churrasco de picanha não me faz criminosa.

Acho justo também nos mobilizarmos na divulgação de empresas que não prestam um serviço ao consumidor, que lesam pessoas de boa fé. Acharei muito justo também quando as pessoas acordarem para seus direitos de cidadãos e tornarem difícil a cobrança absurda de impostos, os desmandos vindos lá de Brasília ou das Assembléias locais. E, casos como esse, da Arezzo, me acendem a esperança de que esse dia está por acontecer.

Estamos aprendendo a reclamar! A nos mobilizar em forma de hastag, que seja. Antes um jogo da velha que o silêncio! Prazer inenarrável ter participado dessa parte da História…

Quanto a Arezzo… Divulgaram uma nota (que eu comento em negrito):

“Prezados consumidores,

A Arezzo entende e respeita as opiniões e manifestações contrárias ao uso de peles exóticas na confecção de produtos de vestuário e acessórios.

Por isso, vimos por meio deste nos posicionar sobre o episódio envolvendo nossas peças com peles exóticas – devidamente regulamentadas e certificadas, cumprindo todas as formalidades legais que envolvem a questão. (os certificados de autorização para matar animais simplesmente para virarem bolsas e calçados não apareceram até então)

Não entendemos como nossa responsabilidade o debate de uma causa tão ampla e controversa. (o debate é global, e começa por cada um dos designers da companhia, ou não vivem no mesmo planeta que nós?)

Um dos nossos principais compromissos é oferecer as tendências de moda de forma ágil e acessível aos nossos consumidores, amparados pelos preceitos de transparência e respeito aos nossos clientes e valores. (Ofereçam tendências sintéticas, da próxima vez. Não coloque nos pés de dondocas as peles dos nossos animais)

E por respeito aos consumidores contrários ao uso desses materiais, estamos recolhendo em todas as nossas lojas do Brasil as peças com pele exótica em sua composição, mantendo somente as peças com peles sintéticas. (recolher o material era o mínimo, pena que os coelhos, cobras, cabras, não serão ressuscitados por conta disso… Todos nós arcaremos com mais esse dano que só o bicho Homem pode causar)

Reafirmamos nosso compromisso com a satisfação de nossos clientes e com a transparência das atitudes da Arezzo.

Atenciosamente,

Equipe Arezzo

Vídeo Relacionado:
Mitcha Xoxando loja da Arezzo


3 Comentários

Arquivado em Tecnologia