Sobre mãe e filho

Em geral, dia do pagamento é felicidade para o trabalhador. Em mim, gera o efeito inverso. É quando dou de cara com a realidade: “trabalho a doidado apenas para sobreviver”.

Não sobra nada! Nem pro lanche.

E então, aquele encontro “cazamiga” que teu estresse estava esperando há séculos, vai ficar pra depois. O Scarpin floral que você namora na vitrine há meses, vai ficar pra depois. Aqueles produtos da dieta que seu nutricionista filado do hospital público recomendou, não acontecerão este mês. O presente da hora que seu filho espera de natal… Bom, vai ter que ser substituído, porque nem prestações você pode mais juntar.

Isso tudo me gera aflição!

Me dá o desconforto de encarar o  fracasso. Outro mês. Até quando?

Depois de calcular e recalcular faço aquela cara solene para o Gustavo, lanço um suspiro e disparo:

– Filho! Não dá mais para te criar. Vou te colocar numa cestinha e te entregar para adoção.

Ao que ele passa a mão no meu pescoço, dá uma risadinha maléfica de canto de boca e responde:

– Não acha que é tarde de mais? Se você quiser me dar agora, vai ter que alugar um contêiner. Isso será mais gasto, hein…

Porque rir, é sempre o melhor remédio. Que venha o próximo mês. Que Deus me proteja!

3 Comentários

Arquivado em Cotidiano

3 Respostas para “Sobre mãe e filho

  1. Ótimo, rssss quem mandou você gerar um mini -gênio- sarcástico, selecionasse menos o sêmem.

  2. Deborah

    Quem mandou ele ser como vc: um gênio sarcástico!!! uhauhauhauhauhauh

  3. Não resta dúvida q ele seja seu filho. Lindo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s