Arquivo da categoria: Tecnologia

Crianças tudo sabem

E, as vezes, a verdade é jogada bem no meio da nossa sala, sem a menor cerimônia, por nossos próprios filhos.

Gustavo começou a jogar The Sims e perguntei que tal a experiência. Vem de resposta:

– O chato desse jogo, mãe, é que o cara acorda, faz tudo o que tem pra fazer em casa, quanto termina já está na hora do trabalho. Do trabalho, o personagem fica sem energia, tem que voltar correndo pra casa. Ele dorme. Depois, tudo de novo.
– É, filho… Simulação da vida.
– Nem tudo. Com uma semana de trabalho, ele já conseguiu U$10 de aumento. Alguma vez você ganhou aumento espontâneo?!
– Até que dia você está banido do LOL?

Mudei de assunto para não ter que abrir mão desse espírito natalino que já chegou em nossos corações, que renova a esperança de um futuro ou um chefe  melhor (não porque houvesse uma resposta para dar ao meu filho, mas para no meu íntimo não pensar em tudo o que não conquistei, e no que isso já representa para a minha família, que já consegue comentar com naturalidade os caminhos que não trilhei). Ao menos ainda temos motivos para sorrir das desventuras… 

Mamãe e Bebê

Mamãe e Bebê

OBS 1:Ele foi banido do League of Legends por 7 dias porque o fiz largar a partida no meio para cortar o cabelo. Já que nunca há horário na agenda dele, encontrei um.
OBS2: Sei que o jogo tem boates, sexo pago, entre outras sacanagens, que ele não precisa ficar especialista ainda. A brincadeira é monitorada, senhores.

Deixe um comentário

Arquivado em Tecnologia

Gina Indelicada. Criatividade Exacerbada

Lá vem a internet mais uma vez me passando atestado de otária. Acho que todo mundo já sabe que há um mês aproximadamente, um estudante de publicidade criou no Facebook, a página “Gina Indelicada” que usa o rosto de uma marca de palitos e dá respostinhas sarcásticas para quem interage com ela.  A “brincadeira”, que não tem nada a ver com a empresa passou de 1 milhão de fãs.

Peraí, gente! Por que Deus esqueceu de colocar “criatividade” na minha fórmula?!

Há pelo menos um ano trabalho o Twitter do Hospital. Queria que os cariocas tivessem a oportunidade de usá-lo como ouvidoria ou o enxergassem como o SUS mais acessível, etc. O máximo que consegui foi subir de 1 seguidor (quando comecei a administrar) para 24. Ridículo!

Comecei olhar o @hosp_einstein, do Hospital Israelita Albert Einstein, que bomba na rede e, teoricamente, tem o mesmo seguimento. Nem isso acendeu a lâmpada da minha criatividade. Até porque o público é meio diferenciado. O nosso Sistema Único de Saúde atende muitos idosos de baixa renda, que talvez não se interesse por certas virtualidades. Mas e os netos? Como atingi-los?

Não tenho dúvida que deveria ser pela graça. Os internautas são facilmente atingidos pelo humor. Somos mesmo uma cambada de hienas… O mundo pegando fogo e o povo fazendo piada online. E me incluo nessa porque também me divirto com isso. A questão é que não posso fazer graça por fazer, em uma página corporativa.

Só sei que, por hora, a marca Rela Gina, fabricante de palitos está divulgado que tomará medidas judiciais contra o criativo jovem.  Só que ninguém se sustenta no mercado por tantos anos sendo otário. Não demora até que eles vejam  que podem transformar isso em mídia positiva para o produto. Porém, se o fabricante tem muito a ganhar, o estudante também terá. Duvido se não vem por ai um patrocínio, novas estratégias…

Enquanto isso no meu mundo “só chove, chove”.

1 comentário

Arquivado em Tecnologia

Mussum Vivis

 

Diziam que Elvis não tinha morrido, mas foi o humorista Mussum que reviveu no Facebook fazendo muita gente rir (inclusive eu) com suas tiradas engraçadas. São inúmeras facetas do comediante caracterizado pelos mais diferentes personagens e personalidades nosso cotidiano: os também falecidos Wando e Steve Jobs, Chaves, Hulk, nem o Abba escapou.

Para quem não viveu esta época (porque pra quem viveu, é impossível esquecer) o bordão do personagem de “Os Trapalhões” era “Cacildis”, “forevis” (e que não tinha nada a ver com forever, como vem sendo aplicado na mídia social, mas com bunda, pura e simplesmente). E, por isso a terminação com “is” tem sido as mais diversas.

Não sei bem ao certo, estão dizendo por ai que a “Strat Comunicação” tomou a iniciativa de fazer uma homenagem ao Mussum, por conta dos 71 anos que completaria este ano criando os memes com o rosto do humorista. Mas acho mesmo que eles vieram na contramão. Afinal, só comecei a encontrar algumas imagens com a “marca” da empresa, bem depois que onda já era uma tsunami no meu mural. Acho mesmo que eles tentaram pegar uma carona em um viral espontâneo que tomou vulto de grande ação web.

A questão é: por que tanta gente perdeu seu tempo caçando a imagem, formatando e adicionado um texto com uma pegada humorada?! São artistas anônimos. Que nem tiveram seus 15 segundos de fama… Apenas o prazer de ver circulando pela rede sua mente criativa.

O engraçado, e não, isso não é um trocadilho só porque o cara era engraçado, é que todos embarcaram na diversão, e embora todo mundo nas redes sociais busquem popularidade, o meme tomou um vulto sozinho, ressuscitando apenas a grandiosidade de um artista que já era famoso.

Ah, esse louco (e divertido) mundo virtual.

1 comentário

Arquivado em Tecnologia

Rede (anti)Social

Vejam a imagem que segue:

a. (   ) Eu consigo entender que a Fernanda só quis brincar com a situação. Fato entendido por azul e marrom.

b. (   ) Fernanda não deveria interagir na citação porque o post não era para ela e isso estragou toda poesia.

c. (   ) O post que é aberto está sujeito a qualquer influência externa, por isso, mesmo entendendo a poesia do momento todas as pessoas têm o livre direito de interferir do modo que desejar.

d. (   ) O Vermelho deveria ter ido chupar um canavial de rola para não humilhar quem não conhece pela internet.

Até onde vai sua interação?!

É fato que eu preciso mesmo beber cazamigas, espairecer a mente, trocar ideias, mudar os ares. Mas não acho que a conversa que seguiu ontem tenha qualquer ponta de recentimento quanto a esta realidade ou tenha sido desrespeitosa com o momento sublime das tais formandas. O Facebook permite que você personalize o nível de acesso a quem irá ler ou ver suas mensagens. Ora, se não quer troca ou interferências personalize sua publicação. O que não dá é para ser agressivo com quem manifesta opinião contrária ou interage contigo. O que, sim, me fez definitivamente marcar a opção “D” do questionário. E você?!

6 Comentários

Arquivado em Tecnologia

Assim caminha a humanidade

E já que o clima é de renascimento…

Há cinco anos eu era apenas uma estudante de Comunicação, que sonhava fazer algo com meu diploma que não fosse pendurar na parede. Eu era uma estagiária de rádio cheia de promissores elogios. Chegar a TV, quem sabe?! Assim, a convite, só pelo meu destaque e belos olhos.

Há cinco anos meu pai era vivo e dizia “calma mocinha, a vida tem que ser no jeitinho”. Eu planejava minha monografia sobre o Twitter e o professor aceitava com muito custo a minha teoria de que a ferramenta não era apenas uma rede social esquisita, sem chance de ultrapassar o Orkut em acessos. Aliás, há 5 anos ninguém passa um dia sequer sem acessar o Orkut. O que me faz lembrar: Meu Deus, ainda tenho um!

Felipe Neto, Restart, ações de publicidade no Youtube. Quem poderia prever? Na faculdade, já se falava de jornalistas terem blogs sérios, mas ainda levaria um tempo. Melhor você usar isso apenas como um modo de fazer seu portifólio. Bem, há mais de cinco anos eu fui encarar a faculdade de jornalismo, porque meu primeiro blog, caricaturizando casos do cotidiano já havia dado certo, mas isso era um submundo, todos os alunos queriam mesmo era a bancada do Jornal Nacional. É. Eu também sonhei com isso.

Há cinco anos eu sonhava muito mais.

Naquele tempo eu tinha um namorado que seria pra sempre. Um namorado meio carioca, meio paulista, nascido no Pará… Sim. O Brasil já era grande e cabia todinho na terra da Garoa. Há cinco anos eu tinha um filhinho de 7 anos para lembrar de escovar os dentes antes de deitar… Certas coisas não mudam mesmo. Quisera que os filhos acompanhassem toda tecnologia. Quisera que o amor fosse como os filhos e durassem pra sempre.

Há cinco anos todo mundo queria um celular pequenininho, pra ficar bem longe daqueles tijolões de outrora. Agora, todo mundo quer um telefone gigante chamado tablet. Faz lembrar o tablete de manteiga, só que é bem maior. Não cabe na bolsa. Muito maior que os tijolões que há cinco anos eram uma vergonha…

Como a vida muda em cinco anos. Como os valores mudam.

O que será de mim em cinco anos?! Sim, porque a sexta-feira é santa, já eu…

2 Comentários

Arquivado em Tecnologia

Enquanto isso a Luiza…

Sabe lá quando, onde e porque nascerá o próximo Meme. A última celebridade instantânea foi a Luiza, aquela que está no Canadá. Se você ainda está perdido sem saber quem é essa tal, clica aqui para entender.

Caiu o queixo?

E se eu disser que o pai da adolescente a chamou de volta ao Brasil a fim de aproveitar propostas de novas campanhas, agora com a família completa?!

Quem sou eu para jogar pedra dizendo que os brasileiros já foram mais intelectuais coisa e tal? Levantar bandeira ética? Não vou, não. Ando cansada de trabalhar para abrir grandes discussões digitadas (afasta de mim, ó cálice, do esforço repetitivo), enquanto isso, a Luiza, tem sorte duas vezes na vida:

1-     Nasceu em uma família capaz de beneficiá-la com um intercâmbio fora do país

2-     Terá de voltar dessa viagem para curtir seus 5 minutos de fama, ou seja, deixar a família ainda mais abastada, conhecida, etc.

3-     Quando outro Meme surgir ela voltará a sua vidinha normal… No Canadá!!!!

É muita sorte para uma pessoa só, gente!

Se há uma única coisa para eu não reclamar dessa história toda é a constatação de que, além de curiosa e surpreendente, essa nova celebridade vem nos lembrar que a casualidade e o imprevisto podem ser determinantes na vida no sucesso ou no fracasso.

Alô, mundo astral, vamos começar a trabalhar a favor (muito a favor mesmo) do meu sucesso? Grata!

 

Deixe um comentário

Arquivado em Tecnologia

Social Midia Gratuita

Eu não tenho lá muito saco para nerds metidos a besta, destes que só porque tem um pouquinho a mais de seguidores já te olha do alto, como o criador da Web fosse. Mas, verdade seja dita: não adianta nada ficar lendo conteúdos atrás de conteúdos sobre novas plataformas sem frequentar os eventos que rolam por ai. Neles, nos deparamos com ideias, experiências e dúvidas diferentes das nossas, que nos fazem refletir sobre a evolução desse mercado de alterações constantes. Até porque, os nerds, que em geral não te dão nenhuma bola, mas são diferença no mercado querendo ou não, estão lá com os holofotes em cima e ai, acabam se abrindo mais e liberando suas informações que, em geral, são vendidas a peso de ouro.

Sem contar que, nossa presença física, nos colocam em um certo patamar de igualdade o que pode gerar oportunidade de negócios. Além de ser  uma oportunidade de ampliar a nossa base de leitores do blog ou seguidores no twitter o que também é muito relevante hoje em dia (isso claro, se você se comportar bem).

Aí você me diz: Se você sabe disso tudo porque não tem dado a cara a tapa por aí?

Elementar meus caros leitores ( se é que tenho algum além da Engraçadinha), a maioria desses eventos que interessam estão em São Paulo. Não tenho grana pra colocar combustível no carro e curtir o Show da Preta Gil com a Dani Antunes, ali em Campo Grande. Que dirá pagar passagens aéreas, inscrição de evento, hospedagem, comida, etc, em outra cidade. E quando é na minha cidade, o motivo é o mesmo, a única economia seria a de hospedagem. Sim, estou repetitiva porque a vida teima em ser assim também comigo, por mais que eu agarre um leão pela jugular por dia nessa selva.

 

É ai que aparece o #ficaadica de um evento imperdível, no Rio de Janeiro, de grátis:

Rio Content Market

O evento é voltado para negócios nas áreas de mídia, produção digital e transmídia, acontece em 2012 entre 29 de fevereiro a 02 de março.

Você vai, Fefê?

Não de novo. Os dias são quarta, quinta e sexta. Meu chefe, claro, não vai me liberar três dias para ir a um evento, ainda que eu demostre em números a relevância disso. Ele não é do ramo, só quer que eu cumpra os devaneios dele e pronto. Qualificação não é o foco.

De toda forma, para estudantes, amigos desempregados ou de férias, além de profissionais que têm um gestor mais consciente e simpático me ouçam, quer dizer, me leiam e não fiquem de fora! Como a esperança é a última que morre eu fiz minha inscrição. De repente…

Querem mais eventos? Acessem aqui

1 comentário

Arquivado em Tecnologia