Quem?

 

Quem

Sou Fernanda Freitas. Meu nome vem do Teutônico e significa ousada, única, batalhadora incansável, que leva até o fim tudo o que começa. Sinceramente, não sei o que é Teutônico e provavelmente meu pai também não sabia quando resolveu me batizar assim. Apesar disso, o nome tem tudo a ver com minha personalidade, isso não é incrível?

 

Sou Jornalista, formada pela Universidade Estácio de Sá / RJ.

 

Curso de Economia para jornalistas, pelo Sebrae. Cidadania Global e novas mídias pela UFRJ.

Atuando na Assessoria de Imprensa do Hospital Municipal Ronaldo Gazzola, em Acari.

Meu primeiro estágio foi na Asfoc-SN (Associação dos Servidores da Fundação Oswaldo Cruz, que veio a ser Sindicato Nacional, por isso a sigla). Acho que me saí bem,fiquei por lá dois anos, até que me formei.

 

Em 2010, me convidaram, agora como profissional, para prestar serviço de assessoria de imprensa na casa. Deixei boas impressões, vão dizer que não?!


Passei também pela Rádio Rio de Janeiro – 1400 AM e pela 107.1 FM. Na primeira uma rádio espírita, na segunda um trabalho com samba, no programa “107 no Carnaval”. Para completar, ac
abei parando no mundo gospel:  Fui produtora na Nossa Rádio (89,3FM) e da Rádio Relógio Federal (580AM), que com a fusão virou Nossa Rádio Relógio, em 580AM. Eita profissional versátil, né não?!

No final de 2010, aportei na Radio Tamoio 900AM. Antes a transmissão vinha direto do Nordeste, depois, formou-se uma produção local. Novo desafio que durou pouco por conta dos administradores da emissora. Decidiram voltar com a antiga formatação e toda equipe carioca foi dissolvida em 4 meses.

Como assessora de imprensa passei pela Target Comunicação gerenciando as contas da Mabel e alguns espetáculos teatrais, em 2011.

Dei ainda minha contribuição ao Núcleo de Comunicação da Estácio na pré-produção, produção e cobertura online da II Semana da Comunicação do Campus Madureira.

 

Mente inquieta, criativa e de muita preguiça também. Sarcástica. Romântica. Muito romântica. Idealista. Tímida quando não tenho que ser. Soma da mistura de índios, Italianos, Portugueses e Alemãs. Tempero de sabor exótico, que se diverte com seu próprio mau humor. Chorar liberta minha alma. Sorrir me alimenta a vida.


 

Para as muitas coisas que faço, o alívio: este blog. Vou deixar aqui tudo o que me deixa “Fê da vida” no cotidiano. Quer dizer, as vezes vão me encontrar Fe…liz, afinal, nem só de reclamação poderá viver o homem (no caso a mulher).


 

A você que chegou até aqui: seja bem vindo!